Servidores do Detran de MT param e cobram "Governo da Legalidade"

Em protesto realizado na manhã desta terça-feira, os servidores do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) cobraram o cumprimento da recomposição salarial de 6,22%, prevista no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Nesta quinta-feira, os servidores paralisaram as atividades por 24 horas e retomam as atividades amanhã.

Nas faixas do protesto, a categoria citou um dos “lemas” da trajetória política do governador Pedro Taques (PDT), de cumprimento integral da legislação. “Cadê o governo da legalidade? A revisão geral anual é obrigação do Estado”, diz uma faixa pregada na fachada da sede do órgão.

A proposta do governo do Estado é promover o reajuste de todo funcionalismo público de forma parcelada. Neste mês de maio, mês da data-base para a reposição salarial, seriam acrescidos aos vencimentos dos servidores 3,11%. O reajuste seria completado ao índice no INPC até o final do ano de acordo com a evolução da arrecadação estadual.

A medida não agradou os sindicatos dos servidores. O Detran foi o primeiro órgão a paralisar as atividades e fazer cobrança pública.

Apesar da paralisação durar 24 horas, a categoria não descarta greve geral. Na próxima terça-feira, uma nova assembleia dos servidores irá deliberar sobre um indicativo de greve.

Outras categorias farão assembléia para deliberar sobre eventuais paralisações. Policiais civis se reúnem nesta quinta-feira para analisar a proposta do Governo.

Na segunda-feira, representantes do Governo voltam a se reunir com o fórum sindical, que representa 27 categorias de servidores, para discutir a reposição inflacionária. Os servidores reivindicam, ao menos, um calendário com datas definidas para o aumento salarial.

 

Site FolhaMax

Redes Sociais