Campanha de vacinação contra o H1N1 começa no dia 30 de abril na capital

A Coordenadoria de Vigilância as Doenças e Agravos (Covida), da Vigilância em Saúde de Cuiabá divulgou esta semana o Boletim da Síndrome Respiratória Aguda Grave. Os números são relativos ao período de 03 a 09 de abril, 14ª semana de 2016. Nesse período, foram notificados a Covida 05 casos de residentes em Cuiabá e 02 de residentes em outros municípios, atendidos na capital.

Em relação ao acumulado do ano, até o dia 13 de abril, foram notificados a Covida, 27 casos. Desse total somente um foram confirmados, 04 foram descartados, 20 aguardam resultado laboratorial e em 02 casos não houve coleta. Esses números dizem respeito a pessoas que residem em Cuiabá.

No mesmo período, foram notificados na Coordenadoria 19 casos relacionados a pacientes de outros municípios que foram atendidos na capital. Desse total, 03 foram descartados, 14 aguardam resultado laboratorial e em somente um caso não houve coleta para exames.

O coordenador do Covida, Fernão Leme Franco, destaca que este ano, até o momento, foram detectados laboratorialmente dois casos de influenza A (H1N1), sendo um paciente residente de Cuiabá e outro residente de Várzea Grande. Ambos evoluíram para óbito.

“Dos 27 casos de residentes em Cuiabá notificados ao Covida, 20 estavam internados nesse período, de 03 a 09 de abril. Desses, 04 tiveram cura”, ressaltou.

Fernão Leme lembrou que a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começa no dia 30 de abril e vai até 20 de maio. Em Mato Grosso, segundo o Ministério da Saúde, a meta é vacinar mais de 600 mil pessoas. Em Cuiabá devem ser imunizadas em torno de 150 mil pessoas. Esses números se referem ao grupo prioritário. 

O público alvo da campanha são crianças na faixa etária de seis meses a  até cinco anos, trabalhadores da saúde, das unidades que fazem atendimento direto aos pacientes, trabalhadores do sistema prisional, população indígena, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clinicas especiais.

O coordenador lembra também que as pessoas vacinadas no ano passado, estão imunizadas em relação ao vírus por um período de um ano. A vacina é atualizada todos os anos a fim de adequá-la aos vírus circulante naquela estação e, sua composição é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A SRAG

Segundo os profissionais médicos, na Síndrome Respiratória Aguda Grave a pessoa apresenta febre de inicio súbito, acompanhada de tosse ou dor de garganta.  

Para evitar o contágio as pessoas devem estar atentas ao alguns  cuidados simples como sempre lavar as mãos com água e sabão. Também é recomendável passar álcool em gel; sempre que for tossir ou espirrar usar lenço descartável para cobrir a boca e nariz; evitar o contato com doentes e, se tocar em objetos coletivos, como maçanetas, e corrimão, por exemplo, não colocar as mãos nos olhos, boca ou nariz. Outra recomendação dos médicos é não compartilhar objetos de uso pessoal.

Redes Sociais