Consórcio VLT presta informações das oobras nesta terça-feira na Assembleia

Representantes do Consórcio VLT Cuiabá/Várzea Grande prestam informações na terça-feira (3), às 9h, no auditório Licínio Monteiro, na Assembleia Legislativa, para dar esclarecimentos sobre o modal, que deveria ter ficado pronto para a Copa do Mundo de 2014. A iniciativa é da Frente Parlamentar em prol da Retomada e Conclusão das Obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT).  

O coordenador da Frente Pró-VLT, o deputado Emanuel Pinheiro (PMDB) ressalta a importância de ouvir os representantes do VLT pois, até o momento, somente o governo se manifestou e defendeu a retomada da obra após auditoria realizada pela consultoria paulista KPMG. “Esta obra representa o descaso e a descontinuidade. A população não enxerga luz no fim do túnel”, afirmou.

Contudo, até os dias atuais a obra segue inacabada, com 56% das obras físicas concluídas. Um dos motivos alegados para o atraso na obra do VLT foi às desapropriações que não ocorreram conforme o esperado. Até hoje, existem 235 imóveis pendentes, o que representa mais de 65% do total.

Um dos desentendimentos com o governo está relacionado aos valores. O contrato prevê o reajuste inflacionário e cambial. Uma simulação apresentada pelos empresários demonstra que caso a obra fosse concluída custaria R$ 1,8 bilhão, saindo quase R$ 400 milhões a mais do que o que previa o contrato de R$ 1,477 bilhão. Porém, como o novo cronograma prevê a conclusão para 2018, o valor será aumentado para até R$ 2,2 bilhões.

O VLT visa atender 160 mil pessoas/dia, com 40 vagões e 22 quilômetros de trilhos. A obra envolveu 2500 trabalhadores e, de acordo com o Consórcio VLT, 75% do contrato já foi cumprido, tendo recebido até o momento R$ 1,066 bilhão, do total de R$ 1,477 bilhão contratado.

Redes Sociais