Servidores realizam novo protesto hoje para cobrar o RGA

Para pressionar o governo pelo pagamento integral da Revisão Geral Anual (RGA), o Fórum Sindical realiza hoje (14) um ato público em defesa da reposição inflacionária. O ato está previsto para começar, às 14h, em frente ao Tribunal Regional do Trabalho, na Avenida do CPA. 

O Fórum, entidade que representa 32 sindicatos, federações e associações do funcionalismo público, deve apresentar ainda hoje um posicionamento acerca da proposta feita pelo governo na última sexta-feira (10), quando o governo propôs pagar a RGA em 6%, mas dividindo em três parcelas de 2%, uma em setembro deste ano e as outras duas em janeiro e abril de 2017, retroativamente à data-base – maio. O presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde e Meio Ambiente (Sisma) e representante do Fórum Sindical, Oscarlino Alves, destacou que a proposta foi rechaçada por várias categorias. 

“Ninguém aceitou. A proposta é rechaçada pelas categorias. O governo quer pagar só em 2017”, disse o sindicalista. Das 32 que compõem o Fórum, pelo menos 29 cruzaram os braços. 

Ontem (13), servidores do Sindicato dos Profissionais da Área Instrumental do Governo (Sinpaig) protestaram na recepção da Secretaria de Fazenda do Estado. No fim de semana, diversas categorias ligadas à Saúde e Educação e ao Indea se manifestaram no 35º Festival Internacional de Pesca, em Cáceres. 

O ato público também é encabeçado pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de MT (Sintep). Henrique Lopes, presidente do Sintep, informou que a nova proposta foi encaminhada para avaliação no interior. “A proposta foi encaminhada para avaliação da categoria em outros municípios. Amanhã, às 8h, haverá uma reunião com representantes do Sintep de todo o Estado e só após a reunião podemos informar que caminhos serão seguidos. Mas, por enquanto, a Educação permanece em greve”, disse Lopes. Pelo menos 85% dos trabalhadores na Educação em Mato Grosso aderiram ao movimento. O Sintep representa 40 mil servidores do ensino público. A categoria está em greve desde o dia 31 de maio. 

Recentemente, 13 categorias foram citadas em decisões judiciais que decretavam a ilegalidade do movimento paredista. Entre as categorias citadas, Saúde, Meio Ambiente, Segurança, Sistema Penitenciário e Detran. Os servidores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) já voltaram ao trabalho. Os servidores da Saúde continuam em greve. Em assembleia geral realizada no dia 10 de junho, o Sindicato dos Servidores do Departamento de Trânsito do Estado (Sinetran) decidiu pela continuidade da greve. “Decidimos pela continuidade da greve”, disse Daiane Renner, presidente da categoria. O presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado (Sindspen-MT), João Batista, informou que a categoria ainda permanece em greve.

 

Site Folha Max

Redes Sociais