Juíza acolhe denúncia contra 13 acusados de "lavar" R$ 7 mi desviados em MT na Operação Seven 2

A juíza Selma Rosane Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, acatou a denúncia do Gaeco (Grupo de Ação Especial de Combate ao Crime Organizado) referente a 2ª ação penal derivada da “Operação Seven”. Ao todo, 13 pessoas passam a figurar como réus no processo.

Entre os réus, estão os ex-secretários de Fazenda, Marcel de Cursi, e da Casa Civil, Pedro Nadaf, e os presidentes do Intermat (Instituto de Terras de Mato Grosso), Afonso Dalberto, e Metamat (Companhia Matogrossense de Mineração), João Justino Paes de Barros. O médico Filinto Correa da Costa, beneficiário direto do dinheiro desviado, e seus filhos, Filinto da Costa Junior e João Celestino Correa da Costa, assim como o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, também estão entre os denunciados.

Eles passam a responder pelos crimes de avagem de dinheiro, peculato, corrupção passiva e formação de quadrilha. 

A magistrada destacou que aceita aceita a denúncia  “por satisfazer os requisitos legais, vez que amparada em indícios de autoria e materialidade, conforme declarações prestadas na fase inquisitorial por testemunhas e documentos acostados aos autos”.

Ela determinou a citação dos réus. Eles terão o prazo de 10 dias após serem notificados para apresentarem defesa prévia e informarem seus advogados. “Assim, quando por três vezes, o oficial de Justiça houver procurado o réu em seu domicilio ou residência, sem o encontrar, deverá, havendo suspeita de ocultação, intimar a qualquer pessoa da família, ou em sua falta a qualquer vizinho, que no dia imediato, voltará, a fim de efetuar a citação na hora que designar”, afirma. 

A magistrada ainda determinou o compartilhamento de provas com a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa e Promotoria de Defesa da Administração Pública para ajuizamento de ações civis contra os acusados.

DENÚNCIA

A denúncia é referente ao desdobramento das investigações da primeira fase da operação. O Gaeco iniciou o rastreamento destino do dinheiro desviado, recebido por Filinto Correa da Costa.

Já foram identificados outros beneficiários do suposto esquema que teve início com a descoberta de uma venda duplicada de uma área de 721 hectares na região do Manso no final do ano de 2014. “A continuidade da investigação propiciou a revelação de parte da lavagem do dinheiro público desviado do Estado de Mato Grosso perpetrados principalmente pelo beneficiário direto do peculato Filinto Correa da Costa, que, ao receber o dinheiro ilícito em sua conta bancária, empregou os mais diversos engenhos para dar-lhe aparência lícita”, diz trecho.

Na denúncia, são narrados 11 casos de como o grupo de 13 pessoas tentou ocultar o patrimônio desviado através de negócios com factorings, compra de fazenda, veículos e motos de luxo e ainda depósitos para familiares. O Gaeco indicou cinco testemunhas, que são Egnaldo da Silva Gois, José Gonçalo de Souza, João Bertoli Filho, Fernanda Valentina Pereira Nunes e Benedito Bento Sobrinho.

LISTA DOS RÉUS

1) Filinto Correa da Costa - médico

2) João Celestino Correa da Costa Neto - advogado

3) Filinto Correa da Costa Junior - empresário

4) Francisco Gomes de Andrade Lima Filho - procurador aposentado

5) Pedro Jamil Nadaf - ex-secretário da Casa Civil

6) Marcel Souza de Cursi - ex-secretário de Fazenda

7) Afonso Dalberto - ex-presidente do Intermat

8) Luciano Cândido do Amaral - empresário

9) João Justino Paes de Barros - ex-presidente da Metamat

10) Roberto Peregrino Morales - fazendeiro

11) Antônia Magna Batista da Rocha - empresária

12) André Luiz Marques de Souza - empresário

13) Marcos Amorim da Silva - diretor do Sesc em Mato Grosso

 

Site Folha Max

Redes Sociais