Fórum rejeita proposta do governo e líder dá como encerrada negociação

“Preferimos perder de pé com dignidade do que tombar deitado”. A fala do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde (Sisma-MT),Oscarlino Alves, logo após a reunião dos servidores públicos com os deputados estaduais deixou claro que a nova rodada de negociações não serviu para avançar os diálogos rumo a um consenso. Os grevistas rejeitaram a proposta apresentada pelo parlamento, de que fosse concedido 7,36 % de reajuste geral anual.

Para o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Wilson Santos (PSDB), a negativa do sindicato põe fim à tentativa de acordo entre as duas partes. O presidente da Mesa Diretora, Guilherme Maluf (PSDB), garantiu que a votação da proposta do governo do Estado será votada na sessão vespertina ordinária de hoje.
 
Esta última tentativa de negociação entre servidores e deputados aconteceu logo após o encerramento da sessão extraordinária da AL, realizada na manhã desta terça-feira (28). O Fórum Sindical prefere, no entanto, aguardar a votação do substitutivo integral de Zeca Viana (PDT) à proposta do governo para a RGA, que garantiria os 11% almejados pelo funcionalismo público.
 
A expectativa, no entanto, é que o substitutivo de Viana não passe pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia. De acordo com o presidente do Fórum Sindical, James Rachid Jaudy, os servidores chegaram a pedir mais tempo aos deputados para a votação da proposta do governo, que eles não consideram favorável.
  
Rápida e conturbada
 
A sessão extraordinária realizada na manhã desta terça-feira (28) foi rápida e conturbada. Nela, o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) chamou os manifestantes que lotavam as galerias de “baderneiros” e “desordeiros”. Fabris criticou os grevistas logo na abertura da sessão, instantes após ter se desentendido com os servidores, que lhe desferiram xingamentos.
 
Gilmar Fabris alegou que até estava cogitando mudar seu voto, para favorecer o pleito dos servidores. “Quero que fique gravado na TV. Tem 90 mil funcionários nesse estado. A maioria são dignos, a maioria esta trabalhando. Uma minoria de aproximadamente 200 funcionários desordeiros e bagunceiros estão aqui na AL”, vociferou.
 
“Quero abraçar os demais servidores, que estão trabalhando. Esse bando de desordeiro eu já conheço. Nesses 24 anos que aqui estou, as caras são as mesmas. Ontem eles estavam de som ligado, dançando e fazendo farra, que é o que eles sabem fazer. Quero dar o meu abraço ao servidor publico que está em serviço. Esses desordeiros, nós devemos demiti-los, que vivem somente de algazarra. Não era só não dar o RGA. Os outros mereciam 11%. Graças a esses aqui que o governo dá 6%”, completou.
 
A defesa dos servidores acabou partindo da depuyada Janaina Riva (PMDB). Ela pediu respeito aos servidores e calma, pois, segundo ela, não é esse o momento de inflamar ainda mais os ânimos. “Dizer que aqui tem desordeiro é demais. Aqui tem trabalhador, tem trabalhadores que passaram por vários governadores. Chegar aqui e falar sem que eles tenham o mesmo direito pra falar é uma tamanha injustiça”, defendeu a peemedebista. “Só quero que tratem as pessoas com respeito. Os servidores vem sendo julgados pelo setor privado e público, completou.

De acordo com a parlamentar, este é o momento de os deputados resolverem o problema de uma vez por todas. “Não quero inflamar mais a situação. Ninguém suporta mais. Fiquei triste quando ouvi o áudio da reunião dos deputados ontem. Está todo mundo aqui dentro, ninguém dorme mais. Esse é um problema que não é nosso, que é do governador do estado e passou para a gente”

 

Site Olhar Direto

Redes Sociais