Deputado diz ter sido xingado por grevistas

O deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) explicou, por meio de nota de esclarecimento, que foi alvo de xingamentos e palavrões dos servidores públicos que cobram a Revisão Geral Anual (RGA) de 11,28% antes de entrar no plenário da Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira. Em seu pronunciamento, o parlamentar disparou contra os manifestantes, chamando-os de mau “caráter e desordeiros” . 

Fabris destacou que toda a classe política tem sofrido com o processo de pagamento da recomposição salarial do funcionalismo público. “Em 24 anos de vida pública, sempre respeitei os servidores do Estado, mas nunca admiti excessos como o que ocorreu hoje comigo e com demais parlamentares, secretários e com o próprio governador ao longo deste processo de votação do RGA”, diz o parlamentar. 

O parlamentar, que votou favorável ao projeto de pagar 6% da RGA de forma parcelada, pontuou que os deputados tem atuado diretamente junto ao Governo e aos servidores para minimizar os prejuízos pelo fato do Governo não ter como arcar com a integralidade da RGA. No entanto, colocou que o momento de crise nacional exige cautela e cuidado de todos, inclusive dos próprios servidores.

“Ratifico que continuarei lutando pela garantia dos direitos adquiridos dos mais de 90 mil servidores, mas espero que o movimento grevista aja de forma republicana, reivindicando seus direitos sem ofensas e desrespeito, garantindo que suas manifestações sejam ouvidas, pela manutenção da democracia”, concluiu;.

Íntegra da nota:

Sobre os fatos ocorridos durante a sessão extraordinária da Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira (28), esclareço que ao entrar no Plenário das Deliberações, antes de iniciar a sessão, fui alvo de ofensas e xingamentos por parte dos servidores públicos do movimento grevista que ocupavam a galeria. Em 24 anos de vida pública, sempre respeitei os servidores do Estado, mas nunca admiti excessos como o que ocorreu hoje comigo e com demais parlamentares, secretários e com o próprio governador ao longo deste processo de votação do RGA. 

Defendo que os servidores devem ter seus direitos garantidos e a Assembleia Legislativa está fazendo o possível para que os danos sejam os menores possíveis neste momento de crise em que Mato Grosso e outros estados brasileiros estão enfrentando. Sendo assim, ratifico que continuarei lutando pela garantia dos direitos adquiridos dos mais de 90 mil servidores, mas espero que o movimento grevista aja de forma republicana, reivindicando seus direitos sem ofensas e desrespeito, garantindo que suas manifestações sejam ouvidas, pela manutenção da democracia.

 

Site Folha Max

Redes Sociais