Polícia Civil prende sete por corrupção no Detran de Mato Grosso

Seis servidores do Departamento Estadual de Trânsito e um despachante foram presos, na manhã desta terça-feira, em operação da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derrfva), da Polícia Judiciária Civil, com a Coordenadoria de Fiscalização de Credenciados (Cfisc) e a Corregedoria do Detran-MT. A investigação da operação denominada “Falsários”, que cumpriu sete mandados de prisão temporária, teve o suporte do núcleo de inteligência da unidade e da Delegacia Regional de Cuiabá, na apuração de fraudes e corrupção praticados na Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Várzea Grande.

Quatro dos funcionários são originários da Ciretran de Várzea Grande e dois foram presos no interior do estado, sendo um o chefe da Ciretran de Rosário Oeste (128 km ao Norte) e outro, servidor da agência de Nova Mutum (264 km ao Norte). O despachante foi preso no bairro Terra Nova, em Várzea Grande, sendo a cidade seu polo de atuação.

O delegado adjunto da Derrfva, Marcelo Martins Torhacs, que coordena a operação, informou que os presos são suspeitos de uma série de fraudes na inserção de dados no Sistema Informatizado (Detrannet) do Detran-MT, em troca de vantagens. “Para cada documento recebiam entre R$ 150 a 200 reais. Montante significativo uma vez que a prática é antiga, coisa habitual”, disse.

A investigação identificou irregularidades em diversos processos para emissão e regularização de documentos de veículos, que vão desde a montagem de processos faltando documentos ou com documentos errados, falta de vistoria ou sua realização via aplicativo WhatsApp, entrega de lacres para pessoas não autorizadas, auditorias fraudulentas, entre outras.

O delegado titular da Derrvfa, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, destacou a parceria de sucesso com o Detran-MT. “Esse é um trabalho de investigação que vem desde o final de 2015 e não vamos parar por aqui. Hoje deflagramos a primeira parte dessa investigação para coibir um esquema criminoso que começa no roubo e furto de veículos, até esquentar documentos. É uma cadeia delituosa onde identificamos despachantes, servidores envolvidos em fraudes”, afirmou.

Os presos:  Gilmar Rodrigues Garcia (despachante), Talles Fonseca de Carvalho, Luis Virino Battisti, Idileno Osório da Silva, Jean Divino Borges Valadares, Gilsomar de Almeida, e Rosangela Fonseca da Silva, vão responder por crimes de associação criminosa, inserção de dados falsos no Sistema Informatizado do Detran, falsidade ideológica, corrupção passiva e ativa.

O presidente do Detran, Arnon Osny Mendes Lucas, também reforçou a integração  com a Polícia Civil, por meio da Derrfva, no processo de moralização do órgão.  “Esse é um trabalho contínuo e qualquer irregularidade detectada será apurada imediatamente, dentro dessa parceria externa e também interna, por meio de levantamentos feitos pela Coordenadoria de Fiscalização ”, declarou.

Os servidores responderão na Corregedoria do Detran processo administrativo disciplinar, que poderá resultar na demissão.  

Os suspeitos presos em Cuiabá e Várzea Grande estão sede da Delegacia, para tomadas de providências.

Os mandados de prisão foram decretados pela 2ª Vara da Comarca de Várzea Grande.

 

Site: Folha Max

Redes Sociais