Após ter prisão decretada, Faiad pede exoneração do cargo de procurador-geral da Câmara de Cuiabá

Poucas horas após ver a Mesa Diretora sair em sua defesa, sob o argumento de que não haveria “pré-julgamento e confiança nas instituições”, o advogado Francisco Faiad pediu demissão da Procuradoria Geral da Câmara de Cuiabá. O vereador Justino Malheiros (PV), presidente da Câmara, aceitou de pronto.

Francisco Faiad estava no posto desde 1 de janeiro deste ano e sua exoneração sai após ser preso na quinta fase da Operação Sodoma, que investiga possíveis fraudes fiscais cometidas conta o Tesouro do Estado.
 
Da Delegacia Fazendária de Polícia Civil (Defaz), Faiad escreveu uma carta de próprio punho, solicitando ao presidente o afastamento do cargo, para não expor o Legislativo cuiabano.  
 
“Aceitamos o pedido exoneração solicitado pelo procurador-geral. A decisão deve ser publicada amanhã [quarta-feira, 15], no Diário Oficial Eletrônico”, explica o presidente.
 
Pela manhã, em release divulgado pela Secretaria de Comunicação  da Câmara de Cuiabá, Justino Malheiros havia manifestado a necessidade de aguardar as investigações, para evitar que se fizesse  pré-julgamento. Também manifestou sua confiança no trabalho da Polícia Judiciária Civil e no Poder Judiciário. Malheiros fez questão de destacar que invetigação nada tinha a ver com a Câmara.

 

Fonte Olhar Direto

Redes Sociais