Secretário destaca transformação e adianta novas prisões de ex-secretários de Silval

O secretário estadual de Segurança Pública, Rogers Jarbas, garantiu que outras autoridades que ocuparam cargos importantes em Mato Grosso ainda serão alvos de novas fases da “Sodoma”. A operação apura crimes contra os cofres públicos praticados por um grupo criminoso durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), apontado como líder do esquema.

De acordo com o secretário, que atuava na Delegacia Fazendária (Defaz), responsável pelas investigações da Sodoma, há outras ex-autoridades sendo investigadas. "Dentro do meio investigativo, sabemos que muitas autoridades ainda serão devidamente responsabilizadas penalmente, por essa prática delitiva que corrompeu o Estado em dezenas e dezenas de milhões de reais”, disse, na terça-feira (14), em entrevista ao programa “SBT Comunidade”, na TV Rondon.

A declaração de Rogers Jarbas ocorreu após a deflagração da quinta fase da Sodoma, na manhã de terça-feira (14). Foram cumpridos cinco mandados de prisão preventiva, nove de condução coercitiva e nove de busca e apreensão domiciliar, nos estados de Mato Grosso, Santa Catariana e Distrito Federal. Entre as novas autoridades mencionadas na operação estava o ex-secretário de Administração, Francisco Faiad, que foi preso preventivamente.

Para o chefe da Segurança Pública, novos interrogatórios de acusados de participação nas fraudes irão culminar em novas fases da Sodoma. "A partir dos interrogatórios e do detalhamento das atividades investigativas, teremos novos nomes e pessoas sendo apontadas. Dentro de uma responsabilidade penal, as pessoas serão identificadas e, se necessário, novas prisões ocorrerão, porque a atividade investigativa em relação à Sodoma ainda não está concluída. Os interrogatórios estão ocorrendo agora. Acreditamos que aqueles que estão sendo apontados como autores dessas práticas delitivas podem apontar outras pessoas e, assim, temos outras autoridades, que já fizeram a gestão do Estado, sendo presas dentro dessa operação”, completou.

Segundo o secretário, nenhum tipo de corrupção será tolerada no Estado. “É importante frisar para a população que Mato Grosso está em transformação e não admite qualquer tipo de corrupção. A responsabilidade penal é uma das consequências”, pontuou.

Ele explicou que o Ministério Público Estadual (MPE) e a Justiça mato-grossense irão tomar medidas para que os acusados devolvam os valores retirados do Estado. “Obviamente o Ministério Público, junto com o Poder Judiciário, vai buscar a recuperação desses ativos que foram retirados dos cofres públicos e que deveriam ser revertidos para a educação, para a saúde e para a segurança”, assegurou.

Jarbas ainda comentou que a responsabilidade das equipes que investigam a Sodoma tem se tornado maior a cada nova fase. “A responsabilidade penal pela capacidade das equipes de investigação e das autoridades penais que estão conduzindo essa atividade investigativa vai aumentar cada vez mais. A investigação tem se aprofundado e os resultados estão sendo apresentados à população”, relatou.

 

Fonte Folha Max

Redes Sociais