Ex-governador é um dos réus mais perigosos de todos, diz juíza

Na decisão que decretou a nova prisão preventiva contra o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) na Operação Sodoma 5, a juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado, afirmou que ele “é sem dúvida, um dos elementos mais perigosos de todos os enredos que têm se apresentando até o momento neste juízo”.  

 

A operação, deflagrada na manhã de terça-feira (14), pela Delegacia Fazendária (Defaz), investiga suposto esquema que teria desviado R$ 8,1 milhões dos cofres do Estado, entre 2011 e 2014, por meio da exigência de propina aos sócios do Auto Posto Marmeleiro e da Saga Comércio e Serviço de Tecnologia e Informática Ltda, Juliano Volpato e Edézio Corrêa, em troca da concessão de contratos e de compras fraudulentas de combustível.

Conforme Selma Arruda, o grupo criminoso agiu por "ordem direta" de Silval Barbosa para angariar recursos para pagamento de dívidas de campanha. O ex-governador está preso no Centro de Custódia da Capital (CCC) desde a primeira fase da operação, deflagrada em setembro de 2015. 

 

“A gravidade concreta das infrações penais praticadas e a posição de liderança deste investigado são fatores que se aliam à fundamentação anterior e são suficientes para justificar sua prisão cautelar. Assim, tratando-se do chefe da organização criminosa, isso por si só é bastante relevante para decretação de sua prisão cautelar”, afirmou a magistrada, na decisão.

 

“Influência política”

 

Selma Arruda ainda ressaltou que Silval Barbosa tem grande influência política, sendo que sua possível liberdade poderia prejudicar o andamento das investigações.

 

A juíza citou como exemplo a soltura da esposa do ex-governador, Roseli Barbosa, após a deflagração da operação “Ouro de Tolo”, em 2015.

 

Conforme a magistrada, interceptações telefônicsa confirmaram que Silval ligou para a assessora do então vice e atual presidente da República, Michel Temer (PMDB), e teve como resultado a soltura de Roseli no dia seguinte.

 

“O indiciado utilizou-se de sua influência política para soltar a esposa. Para tanto, não hesitou em ingressar em segundo grau, com o pedido de revogação da prisão preventiva, não sem antes, telefonar insistentemente para a assessoria do chefe de gabinete do vice-presidente da República Michel Temer. No dia seguinte a esta conversa, o ministro Reynaldo Soares da Fonseca, em liminar, concedeu Habeas Corpus e determinou a soltura de Roseli Barbosa”, afirmou a magistrada.

 

Fonte: Midianews

Redes Sociais