Sites apontam que Maggi é sétimo ministro de Temer investigado na Lava Jato

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP) integra a chamada “lista do Janot”, entregue na última semana ao Supremo Tribunal Federal com pedidos de investigação contra autoridades com prerrogativa de foro na Suprema Corte. Diversos portais de notícia em nível nacional, como o Valor Econômico e O Antagonista, apontaram a inclusão de Maggi na lista.

Na última semana, o procurador-geral da República entregou ao STF pedidos de investigações contra deputados federais, senadores e ministros citados nas delações firmadas por executivos da empreiteira Odebrecht, no âmbito da “Operação Lava Jato”. A lista contém nove ministros do governo do presidente Michel Temer (PMDB).

Até o momento, já havia sido divulgados os nomes de seis ministros. São eles: Eliseu Padilha, Moreira Franco Aloysio Nunes, Gilberto Kassab, Bruno Araújo e Marcos Pereira.

Nesta terça, segundo os sites, foi confirmado o nome de Blairo Maggi. Os dois últimos nomes são desconhecidos.

O ministro da Agricultura é senador licenciado e ex-governador de Mato Grosso. Segundo o Valor Econômico, a citação de Maggi já era “esperada”.

Dois dias depois da entrega da lista, chamou a atenção o pedido de licença de Maggi, por dez dias, para tratar de assuntos pessoais. Com a deflagração da Operação Carne Fraca, o ministro cancelou seu afastamento para tomar as rédeas da crise em sua pasta.

OUTRO LADO

O ministro Blairo Maggi está em viagem ao Paraná. Ele vistoria os frigoríficos interditados após a "Operação Fraca".

No entanto, o senador Cidinho dos Santos (PR) saiu em defesa de Maggi. Ele dise que possibilidade do ex-governador de Mato Grosso estar na "Lista de Janot" é "praticamente zero".

Cidinho garante que Blairo Maggi nunca se relacionou com a Odebrecht. "O ministro nunca teve relação com a Odebrecht; não recebeu doação eleitoral nem de Caixa 1 ou Caixa 2 da empresa", assegurou.

 

valormaggi.jpg

 

antagonista.jpg

 

Fonte: Site Folha Max

 

Redes Sociais