AL aprova relatório de CPI, mas livra consórcio VLT de devolver R$ 541 mi

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT) resolveu dar uma “colher de chá” ao Consórcio VLT Cuiabá/Várzea Grande, e rejeitou a emenda proposta pelo relator da CPI das Obras da Copa do Mundo, deputado estadual Mauro Savi (PSB), que sugeria a inclusão de uma emenda ao relatório final da comissão pedindo a rescisão do contrato do Governo do Estado com o Consórcio VLT Cuiabá, além da devolução de R$ 541 milhões que teriam sido desviados com a execução das obras. A emenda foi derrotada por 10 votos a 7. Ainda foram registradas sete ausências.

Votaram contra a inclusão da emenda: Dilmar Dal Bosco (DEM), Gilmar Fabris (PSD), Wagner Ramos (PSD), Pedro Satélite (PSD), Saturnino Masson (PSDB), Wancley Carvalho (PV), Wilson Santos (PSDB), Professor Adriano (PSB), Dr. Leonardo (PSD) e o presidente da AL-MT, Eduardo Botelho (PSB). 

O grupo seguiu orientação do poder executivo de Mato Grosso, que chegou a acordo com o consórcio e aguarda decisão da Justiça Federal para retomar as obras.

Já o grupo composto pelos deputados Allan Kardec (PT), Janaína Riva (PMDB), Zeca Viana (PDT), Valdir Barranco (PT), Mauro Savi (PSB), Oscar Bezerra (PSB) e Silvano Amaral (PMDB), avalia que a Assembleia concordará com as irregularidades constatadas pela CPI com a rejeição da emenda. Isso porque, eles entendem que o consórcio tem participação nas fraudes investigadas.

Após a votação, cercada de discussões acaloradas na manhã desta quarta-feira (26) no Parlamento, os deputados votaram, então, pela aprovação do relatório final da CPI sem a emenda que previa a rescisão do contrato e a devolução de R$ 541 milhões aos cofres públicos. A investigação, apresentada em outubro de 2016, pede o indiciamento de 96 agentes públicos e 16 empresas, foi aprovada por 16 votos, com 8 abstenções. O relatório será encaminhado para órgãos fiscalizadores como Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual e Tribunal de Contas.

 

Fonte: Site Folha Max

Redes Sociais