Motoristas cumprem promessa e ônibus não circulam em Cuiabá

Os trabalhadores do transporte coletivo de Cuiabá cumpriram a promessa do início da semana e não estão trabalhando nesta sexta-feira. O ato faz parte da greve geral, onde diversas categorias protestam contra as reformas trabalhista e da Previdência proposta pelo Governo Federal.

Na manhã de hoje, nenhum ônibus foi visto nas ruas. O movimento nos pontos também era menos, já que não houve aulas na rede pública e a população já estava alerta para a manifestação dos motoristas.

Ao todo, são cerca de 2,5 mil funcionários do transporte coletivo, que atendem 250 mil usuários diariamente paralisados. Todas as linhas de Cuiabá e a intermunicipal estão paradas.

Os trabalhadores destacam que o movimento é contra a proposta do Governo Federal e abrange a classe trabalhadores do país inteiro. "Não vai ter ônibus e não vai precisar por que não vai ter quem carregar", disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores (Stett/Cuiabá e Região), Ledevino Conceição, se referindo ao fato da paralisação geral já contar com a adesão de inúmeras classes trabalhistas ligadas ao setor privado e às esferas municipal, estadual e federal

OUTROS SETORES

Uma das categorias que pretendem aderir ao movimento nacional são os servidores da saúde do Estado. No setor, 100% das unidades administrativas deverão permanecer fechadas. Já nos escritório regionais, só deverá funcionar a entrega de vacinas, medicamentos e regulação. 

Nos hospitais, o atendimento será restrito aos casos de urgência e emergência (100%) e, nos demais serviço, deverá ser mantido apenas 30% do efetivo. Consultas e procedimentos eletivos serão desmarcados. 

As escolas públicas também não funcionam nesta sexta-feira. Servidores do Indea e do Detran também não estão trabalhando. Apesar da paralisação de diversas categorias, o Governo do Estado não decretou ponto facultativo.

Na iniciativa privada, os bancários confirmaram presença nas manifestações. Todas as agências estão fechadas, funcionando apenas os terminais de autoatendimento.

Na capital, um dos pontos mais altos do movimento está marcado para ser realizado na Praça Ipiranga, centro, a partir das 13 horas. 

 

Fonte: Site Folha Max

Redes Sociais