Delator da JBS acusa ex-ministro de MT de receber mala de dinheiro com R$ 250 mil

A Revista Época divulgou nesta quinta-feira (3) que mais um político mato-grossense recebeu dinheiro de propina da empresa JBS. Desta vez, o acusado é o ex-ministro da Agricultura, Neri Geller, que atualmente ocupa o cargo de secretário de Políticas Agrícola do ministério.

Segundo a publicação, Neri recebeu R$ 250 mil dentro de seu gabinete no ministério. Quem teria intermediado o recebimento dos valores foi o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os valores foram entregues em outubro de 2014, quando a operação “Lava Jato” já havia sido deflagrada no país e causava “estragos” no processo eleitoral daquele ano.

O emissário da empresa para entregar o dinheiro foi Florisvaldo de Oliveira. Ele é conhecido como o “homem da mala” da empresa. Florisvaldo, que também é colaborador na Lava Jato, revelou que já entregou mala com R$ 1 milhão a um emissário do presidente da República, Michel Temer (PMDB).

Neri Geller negou ter recebido a propina da JBS. Ele se disse “surpreso e indignado” com a citação de seu nome na delação.

Confira a reportagem da Época:

Em outubro de 2014, Florisvaldo de Oliveira, o homem da mala da JBS, entrou num avião rumo a Brasília para mais uma entrega de dinheiro. Eram R$ 250 mil. O destinatário do dinheiro sujo era, dessa vez, Neri Geller, peemedebista então ministro da Agricultura e muito próximo do ex-deputado Eduardo Cunha e do presidente Michel Temer. O dinheiro foi entregue por Florisvaldo no gabinete do ministro. Em meio à Lava Jato.

Procurado, o ex-ministro da Agricultura e atual secretário de Políticas Agrícolas, Neri Geller, afirmou ter recebido com “surpresa e indignação” a notícia de que seu nome aparece na delação da JBS.

 

Fonte: Site Folha Max

Redes Sociais