Documentos em ação da Sodoma comprovam delação de ex-governador Silval Barbosa

A delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) é confirmada em documentos que foram anexados ao pedido de conversão da prisão preventiva dele em domiciliar. O termo, porém, já foi homologado pela Procuradoria Geral da República (PGR) e aguarda ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Durante depoimentos de Barbosa à juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado, a defesa dele confirmou que o ex-governador prestou depoimento à Polícia Federal, mas negou que ele tenha feito colaboração premiada. No entanto, documentos assinados em 1º de  junho reforçam a tese de que o ex-governador realizou colaboração premiada.

São autorizações de parentes  que permitem que o ex-chefe do Executivo estadual indique bens de suas propriedades no acordo de colaboração premiada. "Autorizo a Silval da Cunha Barbosa que indique para o acordo de colaboração junto ao Ministério Público os bens registrados todos de minha propriedade", diz autorização assinada por Antônio Barbosa e Rodrigo Barbosa, repescativamente filho e irmão do ex-governador.

Silval Barbosa conseguiu revogar a prisão preventiva após decidir confessar os crimes que cometeu contra os cofres públicos. Ele também se comprometeu a ressarcir o erário em R$ 46 milhões.

Os bens entregues por ele foram um lote em Sinop, avaliado em R$ 860 mil; uma área em Peixoto de Azevedo, estimada em R$ 33,1 milhões; uma Fazenda no mesmo município, orçada em R$ 10, 4 milhões; uma aeronave no valor de R$ 900 mil e um imóvel em Cuiabá, de R$ 1,2 milhão. A prisão de Silval foi revogada em 13 de junho, pela juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital

O peemedebista estava preso desde setembro de 2015 no Centro de Custódia da Capital (CCC). Além dele, a magistrada também liberou o braço-direito do peemedebista nos esquemas, o ex-chefe de gabinete dele, Sílvio César Corrêa.

MONSTRUOSA

Ontem, o ministro Luiz Fux, do STF, comentou sobre a delação do ex-governador. Ele prevê uma verdadeira tsunami no Estado, indicando que uma operação com base nas informações na delação de Silval será uma das maiores do país.

“Essa é monstruosa, depois da Lava Jato é a maior operação. Silval trouxe material", disse Fux.

 

Fonte: Folha Max

Redes Sociais