Professores aprovam indicativo de greve e pressionam Governo

Os profissionais da Educação pública de Mato Grosso aprovaram nesta segunda-feira indicativo de greve. A assembléia da categoria foi realizada no colégio Presidente Médici.

O indicativo de greve, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública (Sintep), significa que a categoria abriu espaço para o governo apresentar propostas. Os profissionais ameaçam não reiniciar as aulas após as férias de junho, caso não sejam atendidos.

A principal reivindicação é quanto ao reajuste parcelado do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) proposto pelo Governo do Estado. De acordo com representantes da categoria, no mês de maio estava previsto o reajuste acordado em greve acrescido do índice do INPC, que é de 6,22%.

Todavia, as perdas inflacionárias serão pagas de forma parcelada, sendo 3,11% em maio e outros 3,11% somente em novembro. Em janeiro de 2016, serão pagos o retroativo de maio a outubro. 

Além da questão do reajuste, a categoria reivindica um piso salarial dos professores de R$ 1958,00. O valor teria sido acordado na greve de 2013, quando a categoria ficou mais de 60 dias paralisada.

Outros itens reivindicados pelos profissionais da educação dizem respeito a sala do educador, processo de atribuição de aulas, e hora atividade. Também é solicitada uma melhor qualidade das unidades de escolas.

O sindicato ainda exige a realização de novo concurso para professores. Segundo o Sintep, o governador suspendeu o certame.

 

Site: FolhaMax

Redes Sociais