Paulo Taques chega ao Gaeco e alega que sua prisão é por boatos de pedidos de propina

O ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, chegou há pouco na sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado). Ele foi preso na manhã de hoje na “Operação Bônus”, a segunda fase da “Operação Bereré”.

Antes de entrar na sede do órgão, Paulo Taques falou rapidamente com a imprensa e negou ter recebido qualquer valor ilícito. “Parece que alguém, falou para alguém que um terceiro alguém ouviu uma pessoa pedir dinheiro em meu nome”, disse o primo do governador Pedro Taques (PSDB).

O ex-secretário depõe ainda na manhã desta quarta-feira aos promotores e delegados do Gaeco. Em seguida, passará por audiência de custódia antes de ser levado ao Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Quem também já está na sede do Gaeco é o deputado estadual Mauro Savi (DEM), também preso na operação. Todavia, ele chegou no início da manhã e não foi visto pela imprensa.

Além de Savi e Paulo Taques, foram já foram presos os empresários José Kobori, Roque Anildo Reinheimer e Claudemir Pereira dos Santos, vulgo “Grilo”. Um sexto mandado de prisão foi expedido, mas o Gaeco só divulgará após efetivar o cumprimento de mandado.

De acordo com o Gaeco, a operação de hoje é baseada nos documentos apreendidos, colaborações premiadas e depoimentos colhidos na primeira fase no mês de fevereiro. Outras fases deverão ser realizadas.

Ainda resta um mandado de prisão a ser cumprido. O Ministério Público só divulgará o nome após ser efetivamente cumprido.

 

Fonte: Leonardo Heitor - Site Folha Max

Redes Sociais