Grupo Flor Ribeirinha encerra o Festival de Montoire na França

O grupo Flor Ribeirinha foi o responsável pelo encerramento do 46º Festival de Folclore de Montoire, cidade localizada na região norte, há 200 quilômetros de Paris. O festival foi realizado no período de 9 a 15 de agosto, considerado um dos mais importantes festivais de arte e cultura da França. O evento foi idealizado pelo Conselho Internacional de Organização de Festivais de Folclore-CIOFF. A delegação do Brasil foi escolhida para organizar a apoteose final do festival.

O diretor artístico e coreógrafo do grupo Flor Ribeirinha,  Avinner Augusto, explicou que para o final do festival foi preparada uma coreográfica especial, desde a entrada das bandeiras de cada país. Ele frisou ainda que foi realizado um verdadeirointercâmbio entre dançarinos e músicos de todas as delegações presentes no festival. “Poder agregar os grupos de todos os países em um só objetivo  foi uma honra para mim. Uma noite memorável e inesquecível para nós do grupo que  representamos o Brasil e o nosso estado neste grandioso evento”, disse ele.

Mato Grosso Dançando o Brasil, foi o espetáculo apresentado durante todo o festival. Para o encerramento, o grupo Flor Ribeirinha apresentou o Boi Bumbá, uma manifestação nascida em Parintins, que mostra a disputa entre dois bois.  O espetáculo tem uma celebração indígena, com a presença da rainha do folclore Cunhã Poranga e o pajé, além da sinhazinha da fazenda. A música Celebração da Fé, encantou as delegações de todos os países e também o público francês. A música foi a mais solicitada e cantada no evento.

 

Durante a semana do festival de Montoire, o grupo Flor Ribeirinha apresentou o Siriri, a dança típica mato-grossense que há mais de 200 anos reflete o multiculturismo e que traz o ritmo contagiante embalados pela viola de cocho, o mocho e o ganzá. Conforme a presidente e fundadora do grupo, Domingas Leonor da Silva, o Siriri é o carro chefe das apresentações do grupo, como também a dança de São Gonçalo. “A dança religiosa faz parte do contexto histórico e do repertório do nosso grupo. Não poderíamos deixar de homenagear o nosso padroeiro da comunidade de São Gonçalo, que é o berço da cultura mato-grossense”, salientou Domingas.

 

O frevo da região do Nordeste, a dança gaúcha do Sul e o samba da região Sudeste também integraram o espetáculo no festival. As manifestações culturais foram enaltecidas pelo presidente do Festival de Montoire, Philippe Proust. Ele destacou a participação do Brasil e de Mato Grosso no evento com um espetáculo bem atraente para o público europeu. “Vimos aqui muitas culturas evidenciadas no palco. O samba que faz parte do carnaval brasileiro e o Boi Bumbá. O Flor Ribeirinha mostrou bem a força da cultura indígena, que chamou que chamou muita atenção”, observou

 

Participaram do 46º Festival de Folclore de Montoire, as delegações do Brasil, Colômbia, Costa Rica, Nepal, Palestina, Peru, República de Komis, Rússia, China e República Tcheca.

 

Fonte: Da Assessoria

 

Redes Sociais