Servidores da AL reagem a devolução de R$ 30 mi

O anúncio de que a Assembleia Legislativa vai devolver mais R$ 30 milhões ao governo do Estado não agradou o Sindicato dos Servidores da Casa. Segundo o diretor administrativo a entidade de classe, Edson Ângelo da Silva, o Pepeu, uma assembleia deve ser convocada para discutir uma reação à medida.

A queixa da categoria se deve ao fato de a Mesa Diretora ter suspendido o pagamento da Unidade Real de Valor (URV) e parcelado o percentual de Reajuste Geral Anual (RGA) dos servidores, referente às perdas salariais de 2014 causadas pela inflação.

“Vamos esperar até o fim da semana, quando deve sair uma posição do Judiciário quanto à ação que ingressamos cobrando a retomada do pagamento da URV. Se não for uma decisão favorável a nós, vamos nos reunir e discutir formas de nos mobilizar”, antecipa Pepeu.

De acordo com o diretor do Sindicato, os servidores também não estão satisfeitos com a demora para a elaboração de um Plano de Cargos,Carreiras e Salários (PCCS). “Estão querendo fazer média com o governador e esquecendo dos servidores. Que moralização é essa, se o servidor não é valorizado? Primeiro devolve R$ 20 milhões, depois R$ 30 milhões, mas nosso direito é parcelado? Isso é propaganda enganosa”, critica o sindicalista.

A Mesa Diretora vem sustentando que a suspensão do pagamento da URV atendeu a uma recomendação do Ministério público Estadual (MPE), que suspeita de irregularidades na lista dos beneficiados. Já o parcelamento do RGA foi anunciado pelo presidente da Casa, o deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB), no dia seguinte ao próprio tucano afirmar que os 8,34% de correção dos salários seriam depositados de forma integral. O percentual foi dividido em três vezes.

Outro lado

A assessoria do presidente Guilherme Maluf se manifestou após a publicação da matéria, como segue abaixo:

"A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa respeita o posicionamento do Sindal, porém, informa que não existe relação entre o pacto firmado pelos poderes para ajudar os municípios, a suspensão do pagamento da URV e o parcelamento da recomposição anual.

A devolução de recursos representa um novo momento da Assembleia Legislativa, que está unindo esforços com o Poder Executivo e demais Poderes para melhorar a qualidade de vida dos mato-grossenses. Neste sentido, já foi disponibilizado R$ 20 milhões na aquisição de ambulâncias para os 141 municípios e os deputados já debatem a destinação de mais R$ 30 milhões, fruto das economias feitas por este poder.

A suspensão dos pagamentos da URV ocorrerou após recomendação do Ministério Público Estadual (MPE). Está sendo realizada uma auditoria e assim que for concluída, a situação será regularizada. A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa garante que todo o recurso relacionado à URV está garantido.

Em relação ao PCCS, o presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf (PSDB) já autorizou a criacão de uma comissão para que sejam feitos estudos, e posteriormente a implantação do PCCS".

 

Site: Gazeta Digital e Folha Max

Redes Sociais